publicidade
Picture

Ocupação e Colonização de Marcelino Ramos 1910 - 1915

Você quer saber como ocorreu o povoamento de Marcelino Ramos.

3851
visualizações
01-01-1910 00:00:00

Em 1910, começo de 1911, Marcelino era um povoado de 40 casas, a maioria de madeira, muitas delas na verdade, casebres, deixados pelos operários da ferrovia. A população? Talvez entre 100 e 200 habitantes.

Havia, então fazer o quê? Tratar de organizar o aglomerado. O Governo Estadual na sua visão positivista, passou, assim a atuar. O plano foi claro: Trazer emigrantes europeus, para povoar o interior, colonizando, política que o estado desenvolvia muito bem. 

A ocupação do interior do território marcelinense começou em 1913, com a chegada dos primeiros colonos descendentes de luso-brasileiros, alemães, italianos, poloneses. Chegavam, cheios de esperanças, para colonizar esta região, ainda desabitada, do então município de Passo Fundo. A denominação do 7° Distrito Municipal, ao qual pertencia Marcelino Ramos era “Alto Uruguai” criado pela edilidade de Passo Fundo, em 1902:

“Pelo Rio Uruguai com os estados de Santa Catarina e Paraná, até a Foz do Rio Passo Fundo, por este com Nonoai e 1° distrito à barra do Arroio Facão, por este acima às cabeceiras mais altas do Erval dos Índios aos do Rio Ligeiro com o 3° distrito e por este abaixo até a barra do Uruguai com o município de Lagoa Vermelha”.

Diretoria de Terras e Colonização: Livro de Registro de Proprietários. Os registros dão conta que no ano de 1913 foram negociados 8 lotes rurais no interior do nosso povoado, representando 7 famílias. Sobre os lotes urbanos, o Professor Cassol, à p. 70 do seu livro, (CASSOL, Ernesto. TORRES GONÇALVES – Vida, Obra e Significado. Editora São Cristóvão, 2003), analisando o Relatório da Secretaria de Obras Públicas de 1955, registra:

“...Este ano de 1914 começa a urbanização do Povoado de Marcelino Ramos”. Afinal foi possível desobrigar-nos do estudo de terreno e organização a atenção para o caso: as dificuldades de terreno e a circunstância de ser este povoado a entrada no Estado pela linha férrea que liga a capital da Republica ao nosso Estado. Incluímos do respectivo projeto, por vós já aprovado, entre os anexos do presente Relatório. Existem 3 praças que sucedem-se na ordem do trajeto da Capital da Republica. A 1° e mais importante, Rio de Janeiro, a do centro São Paulo, é a 3° Porto Alegre, ligados as 3 pela pequena Avenida Rio Grande do Sul. Das duas outras pequenas avenidas, a mais próxima do Rio Uruguai em o nome de Santa Catarina e a superior Paraná. O local sendo encosta de um elevado espigão, o povoado apresenta-se todo ao viajante que vem chegando de longe pela via-férrea, ao apostar a este Estado.

Estimamos que a execução do que é essencial ao povoado custará cerca de 30:000$000, e esperamos que esta verba sairá prontamente da venda dos lotes urbanos, pois é grande a procura e os interessados, na maioria negociantes, sujeitam-se a preços maiores do que os ordinários, tendo em vista os ônus da instalação que a eles próprios aproveitam diretamente.

Existem 42 prédios anteriormente estabelecidos, porem com a condição de serem transferidos após a demarcação dos lotes.

Realizou-se os estudos do relevo do terreno, e está atualmente procedendo à locação do projeto e os trabalhos preliminares de terraplanagem o Engenheiro Norberto de Barros Lacerda, ajudante interino da Colônia Erechim em dezembro de 1914 e em junho do corrente ano e contamos voltar no próximos de agosto.

O território do futuro do município pertencera, no passado, a vários donos e chegava, nos alvores do século XIX na jurisdição de São Borja. Apenas 4 extensos municípios compunham a então Capitania Geral de São Pedro do Rio Grande, criada pelo Império em 1807: Rio Grande, São Borja, Santo Antônio da Patrulha e Porto Alegre.

Meio século depois, os municípios já eram 26 e surgia Passo Fundo, liderando o processo de civilização do norte rio-grandense e nos tornamos “terras passofundenses”. Assim seríamos até 1918, quando ajudamos a formar mais um município, o recém criado município de Erechim.

A cidade de Marcelino Ramos localiza-se na divisa oriental da Região Norte, fazendo divisa com a Região Nordeste gaúcha. Anos depois, quando da emancipação do município de Marcelino Ramos o território englobado incluía maior parte do município de Passo Fundo e alguma coisa de Santo Antônio da Patrulha. Após, quando se emancipou Maximiliano de Almeida ficou somente a área de Passo Fundo..., mas pode-se dizer que Marcelino Ramos é um dos poucos municípios que tem dois avós: Posso Fundo e S.A da Patrulha.

Os municípios e colônias mais expressivas do RS em 1857 eram: Alegrete, Bagé Conceição do Arroio(Osório), Cruz Alta, Canguçu, Encruzilhada, Jaguarão, Itaqui, Lavras, Porto Alegre, Palmeiras, Piratini, Passo Fundo, Pelotas, Rio Pardo, Rio Grande, São Pedro de Alcântara, Santo Antônio da Patrulha, São Leopoldo, Santa Maria, São Pedro, São Gabriel, São Sepé, Santo Ângelo, São Luiz, São Borja, São Francisco de Assis, Livramento, Erval, São José do Norte, Santa Vitória do Palmar, Três Forquilhas, Triunfo, Taquari, Uruguaiana e Viamão

Em 1900, os municípios gaúchos já eram 64. Em 19913/14, quando se iniciaram as transações dos lotes rurais na nossa região, Erechim já existia como vila, e pertenciam ao município de Passo Fundo, mas era em Erechim que se localizava o escritório da Diretoria de Terras e colonização.

Inicialmente uma repartição da Secretaria de Obras Públicas do Governo do Estado, passando depois para a Secretaria da Agricultura, gerenciava a extensa área da atual região do Alto Uruguai, que hoje abrange mais de 30 municípios de região, de grande importância para o progresso do Alto Uruguai. 

Com a chegada do século XX, esteira da Republica, vinha também um surto progressista, em todos os campos de atividade no pais. No campo econômico, na maioria dos países, a ferrovia era fator indispensável. No Brasil mais do que nunca e, em especial para Marcelino Ramos, a construção da Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande traria esse progresso. Ela por si só, já havia provocado o surgimento do povoado de Marcelino Ramos. Agora, com a venda de lotes urbanos e rurais pelo Governo do Estado, viria o progresso, o desenvolvimento, o crescimento...

Comentários

Voltar